Wellington Roberto foi quem indicou secretário que primeiro se reuniu com representantes da intermediária da Covaxin e entra no olho do furacão da CPI

07/07/2021

Matéria do Jornal ‘O Estado de São Paulo’ deste domingo 04 de julho traz o paraibano Wellington Roberto, presidente do PL da Paraíba, no furacão do Caso Covaxin – que levou o presidente Jair Bolsonaro a ser alvo de um inquérito no Supremo Tribunal Federal por suspeita de prevaricação.

A publicação lembra da indicação de Wellington Roberto, que é líder do PL na Câmara dos Deputados e um dos principais representantes do Centrão, para que Arnaldo Correia de Medeiros fosse secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde.

A nomeação ocorreu em junho passado, quando o general comandava interinamente o ministério e Bolsonaro consolidava seu casamento com o Centrão. O secretário substituiu Wanderson Oliveira, servidor federal e especialista em epidemias.

Medeiros participou da primeira reunião no ministério, em novembro, com representantes da Precisa – empresa que faz a intermediação da Covaxin, produzida pelo laboratório indiano Bharat Biotech. A Precisa pertence a Francisco Maximiano, um empresário que é réu com Ricardo Barros em um processo de 2018 referente à compra de medicamentos quando o atual líder do governo foi ministro. Foi Dias, o diretor ligado ao Centrão, quem deu a ordem de empenho de R$ 1,6 bilhão para compra da Covaxin mesmo com inconsistências no processo.



Fonte: ‘PBAgora’ com ‘Estadão’




Comentários realizados

  • Essa matéria ainda não tem comentários realizados e você pode ser o primeiro a comentar.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de e-mail é de preenchimento obrigatório, mas não se preocupe que não publicaremos. Seu comentário será moderado pelo administrador do site e só será divulgado após isso.*


Outras Notícias