Generoso mafioso italiano preso em João Pessoa dava caixinha de R$ 100 a empregados do flat em que estava hospedado

31/05/2021

Calmo, gentil, simpático, sorridente e "mão aberta". Era assim que se comportava o mafioso italiano Rocco Morabito, 54, um dos narcotraficantes mais procurados do mundo, no flat Ecco Summer, na praia de Tambaú, em João Pessoa.  

Rocco Morabito, condenado a 103 anos e procurado desde 1995 na Itália foi capturado por 12 policiais federais do Brasil por volta das 14h30 de segunda-feira (24) em um quarto no 3º andar, onde outro mafioso, Vincenzo Pasquino, 30, também acabou preso.  

Os dois italianos presos são acusados de integrar a máfia calabresa ‘Ndrangheta. Segundo um funcionário do flat, Morabito não resistiu à prisão, e Pasquino tentou fugir pulando pela varanda, mas foi dominado. Um terceiro homem, baixo, forte, branco, com cabelos lisos e olhos castanhos, escapou. A PF não confirmou essa informação.  

No quarto com os italianos também estava um corretor de imóveis identificado como Anselmo. Foi ele quem alugou os quartos para os mafiosos. Morabito morava sozinho no 3º andar e, de acordo com o funcionário do flat, Pasquino e o terceiro se hospedaram juntos no 4º andar. O corretor de imóveis passou mal quando os agentes federais chegaram. Ele não teria conhecimento de que os italianos eram criminosos procurados.  

EDUCADO E ATENCIOSO  


O mesmo funcionário contou que Morabito era muito educado, atencioso, passava a maior parte do tempo no quarto e nas poucas vezes que saía, caminhava até a praia de manhã, tomava sol, mas voltava rápido. O italiano não costumava ir em restaurante e usava o serviço de entrega de comidas do iFood. Morabito estava hospedado no flat desde o último dia 25 de abril. O corretor de imóveis pagou adiantado o aluguel do quarto por um mês, pelo valor de R$ 4 mil.  

De acordo com funcionários do flat, Morabito falava bem o português e era um "mão aberta", pois sempre dava caixinha de até R$ 100 para o pessoal responsável pela limpeza. Era reservado, não ostentava nada de ouro e era considerado um homem simples pela equipe do flat.

Morabito tinha quatro condenações na Itália, sendo duas de 22 anos, uma de 30 anos e outra de 29 anos. Segundo a documentação da Interpol, as penas foram unificadas em 30 anos.

Contra Morabito havia um mandado de prisão expedido em 13 de agosto de 2008 e outro em 8 de julho de 2013. As condenações ocorreram pelas Cortes de Apelação da Calábria, em 10 de junho de 2005; Milão, em 5 de julho de 2001; Palermo, em 11 de março de 2000; e Milão, em 30 de abril de 1999.  

O Escritório Central da Interpol em Roma incluiu o nome dele na difusão vermelha em 21 de junho de 1995. Segundo a polícia italiana, entre de 1988 e 1994 a função de Morabito na máfia era organizar as importações de centenas de quilos de cocaína da América do Sul para distribuição na Itália. Morabito e comparsas montaram um escritório no Itaim Bibi, zona sul paulistana. Faziam parte do grupo o sobrinho dele, Francesco Sculli, e o jordaniano Waleed Issa Khmayis, que já passou pela Casa de Detenção, no Carandiru, e atualmente está preso na Turquia. O bando tentou enviar 600 kg de cocaína para a Europa pelo porto de Fortaleza (CE), em julho de 1992.

Fonte: Da Redação com  UOL




Comentários realizados

  • Essa matéria ainda não tem comentários realizados e você pode ser o primeiro a comentar.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de e-mail é de preenchimento obrigatório, mas não se preocupe que não publicaremos. Seu comentário será moderado pelo administrador do site e só será divulgado após isso.*


Outras Notícias