Fazendo vistas grossas para erosão nas falésias de Carapibus prefeitura do Conde despreza alerta da Defesa Civil e espera acontecer mesma tragédia que ceifou vidas em Pipa

19/01/2022
Turistas amedrontadas em Carapibus
Turistas amedrontadas em Carapibus

As falésias na praia de Carapibus, distrito do Conde, no Litoral Sul da Paraíba, estão há um ano em “atenção máxima” por risco de deslizamento mas, apesar disso, não há sequer sinalização com placas de advertência na área para informar aos banhistas do perigo iminente de uma tragédia, que pode acontecer a qualquer momento.

Acionada por uma denúncia anônima que aportou no gabinete da Defesa Civil do Governo do Estado em fevereiro do ano passado, que por sua vez acionou a Defesa Civil do Conde, nenhum projeto foi elaborado pelo Governo do Município, insistentemente cobrado por moradores e donos de pousadas da localidade.

A prefeita cassada Karla Pimentel recebeu inclusive um abaixo-assinado de moradores, que lhe apresentaram também um projeto detalhado para melhoria do acesso à praia, feito precariamente através de escada de madeira que periodicamente é reconstruída a partir de doações financeiras particulares.

Moradores que se cotizaram para repor escada posam felizes ao liberarem o acesso à praia

No dia 12.02.21, atendendo à solicitação da Defesa Civil estadual, o coordenador da Proteção e Defesa Civil do Conde, Marinaldo Gomes, com uma equipe da repartição constatou o perigo reinante nas falésias, elaborou consubstanciado documento ilustrado com fotografias e o encaminhou três dias depois (15.02.21) para Tiago Ribeiro da Silva, secretário da Infra-Estrutura, pedindo imediatas providencias e recomendando acionar as Pastas do Meio Ambiente e do Planejamento para que, conjuntamente, buscassem solução para o acesso à praia e para medidas de contenção à queda das barreiras (falésias), o que até a presente data, quase um ano depois, nada foi feito a não ser a edificação de uma nova escada de madeira viabilizada com recursos cotizados de moradores e donos de pousadas a fim de não frustrar os turistas nesse período de veraneio.

Marinaldo Gomes chegou a sugerir em seu parecer, ano passado, uma reunião com todos os moradores de Carapibus e avisou que “não temos receita possível” para trabalhos de emergência no local, em que pese a diminuta metragem do setor a perigo por ele periciado: “trezentos metros de falésias, duas escadas e diversas construções”, conforme assinalou no documento.

Marinaldo faz alerta e encaminha documento pedindo providencias

Apesar de contar este ano com um polpudo orçamento, aprovado pelo Legislativo no total de R$ 116.000.000,00 (Cento e Dezesseis Milhões de Reais), inclusive com dotações específicas para Meio Ambiente e para Turismo, que são Pastas distintas, não se tem notícia sequer de que haja “boa vontade” dos titulares dessas secretarias para cuidar ou resolver o problema.

Parte do parecer da Defesa Civil do Conde

O temor da população desassistida é de que não venha a acontecer em Carapibus o que ano passado aconteceu na praia de Pipa quando uma falésia desabou soterrando um casal e seu filhinho de poucos meses de vida. Sem ao menos placas de sinalização, fica difícil para o turista entender que o local, ao invés de lhe dar um bom lazer, pode vir a tirar-lhe a vida.


Parte do parecer da Defesra Civil do Conde

Dando as costas para o problema, a prefeita opta por descansar em locais mais paradisíacos, como a caríssima ilha de Fernando de Noronha ou praias famosas do vizinho Pernambuco (Porto de Galinhas, Muro Alto, etc.), sem se incomodar com o que possa vir a tragicamente acontecer na cidade onde foi eleita para administrar.

O OLHO DA TV PARAÍBA



Hildebrando Neto mostra nas TVs Cabo Branco e Paraíba perigo real no Litoral Sul

A gravidade do problema em Carapibus chamou ontem a atenção das TV’s Paraíba e Cabo Branco, afiliadas da Rede Globo, que mandaram ao local o repórter Hildebrando Neto para dar amplitude ao perigo.

A matéria foi exibida no JPB-2, o jornalístico de meio dia das emissoras, e o repórter disse que a única informação que obteve da prefeitura foi de que estaria monitorando a área, mas sem dar detalhes de como esse trabalho acontece.

Turistas foram entrevistados e até um policial militar do Corpo de Bombeiros de Pernambuco, em férias na praia, advertiu para o grave problema que somente a ineficiência gerencial pública do Conde parece não conseguir avistar.

Fonte: Da Redação




Comentários realizados

  • Essa matéria ainda não tem comentários realizados e você pode ser o primeiro a comentar.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de e-mail é de preenchimento obrigatório, mas não se preocupe que não publicaremos. Seu comentário será moderado pelo administrador do site e só será divulgado após isso.*


Outras Notícias