Governadores articulam anúncio de medidas conjuntas contra avanço da covid-19

08/03/2021

Governadores articulam o anúncio conjunto de medidas restritivas contra o avanço da pandemia do novo coronavírus. O Brasil atravessa o pior momento da pandemia, com recordes diários de casos e mortes. Somou 1 milhão de novos diagnósticos em 17 dias. Foi o período mais curto em que o país acumulou essa quantidade de infectados.

Os chefes dos Executivos estaduais discutem um “pacto nacional” para a adoção simultânea de iniciativas para o isolamento social e a formação de um consórcio para conduzir a negociação de compra de vacinas contra a covid-19. O grupo também cogita estabelecer diálogo direto com organismo internacionais, como a OMS (Organização Mundial da Saúde).

O coordenador do Fórum Nacional dos Governadores, Wellington Dias (PT), do Piauí, falou sobre a importância de ações articuladas e disse que as restrições nacionais serão uma “experiência”.

“Não adianta o meu Estado fazer e outro não fazer. Isso é o que chamei de ‘enxugar gelo’, ou seja, a transmissibilidade tem que ser cortada nacionalmente”, afirmou o governador piauiense em entrevista à GloboNews nesse domingo (7.mar.2021).

“É claro que o ideal é como fazem outros países, o poder central estar fazendo isso. Os Estados Unidos não faziam na época do Trump, mas estão fazendo agora com o Joe Biden”, declarou.

Não há confirmação sobre o número de governadores que farão parte do anúncio conjunto das novas medidas para a contenção da pandemia. O governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B), disse que as ações ainda não foram definidas. Uma das prioritárias, segundo ele, é atuar na compra de vacinas.

“Até o momento, a ideia consensual dos governadores é comprar vacinas e entregá-las ao PNI (Plano Nacional de Imunização). Mas é claro que isso pode ser revisto. O governo federal não tem consistência”, afirmou ao jornal O Globo desta 2ª feira (8.mar).

Na manhã desta 2ª, Wellington Dias e Cláudio Castro (PSC), governador do Rio de Janeiro, devem se reunir com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e representantes da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz).

No encontro será debatido o cronograma apresentado pelo Ministério da Saúde para compra e produção de vacinas. No sábado (6.mar.2021), a pasta divulgou um novo cronograma de entrega de imunizantes. A nova previsão mostra que o total de doses esperadas para março foi revisado: caiu de 38,1 milhões para 30 milhões. Eis a íntegra (39 KB).

A mudança se deve ao fato de o ministério ter alterado a expectativa de recebimento das doses da Covaxin, vacina indiana que comprou da Precisa Medicamentos. A pasta esperava ter 8 milhões de doses em março, 8 milhões em abril e 4 milhões em maio –totalizando as 20 milhões de unidades compradas.

CONFLITO

Em nota divulgada em 1º de março, 16 governadores criticaram o governo federal por “priorizar a criação de confrontos, a construção de imagens maniqueístas e o enfraquecimento da cooperação federativa essencial aos interesses da população” ao publicar “má informação” e promover conflitos entre a sociedade e Executivos estaduais.

No dia anterior, o presidente Jair Bolsonaro e órgãos do governo federal publicaram nas redes sociais dados sobre repasses feitos pela União aos Estados para o combate à pandemia do novo coronavírus no país.

Na nota (íntegra – 421 KB), os governadores afirmam que as informações divulgadas estão “distorcidas” e têm o objetivo de “gerar interpretações equivocadas e atacar governos locais”. Eles ainda manifestaram “preocupação em face da utilização, pelo governo federal, de instrumentos de comunicação oficial, custeados por dinheiro público” para ações que vão contra os Executivos estaduais.

Eis os governadores que assinaram o texto:

    Renan Filho (MDB), governador de Alagoas;
    Waldez Góez (PDT), governador do Amapá;
    Camilo Santana (PT), governador do Ceará;
    Renato Casagrande (PSB), governador do Espírito Santo;
    Ronaldo Caiado (DEM), governador de Goiás;
    Flávio Dino (PC do B), governador do Maranhão;
    Helder Barbalho (MDB), governador do Pará;
    João Azevêdo (PSB), governador da Paraíba;
    Ratinho Junior (PSD), governador do Paraná;
    Paulo Câmara (PSB), governador de Pernambuco;
    Wellington Dias (PT), governador do Piauí;
    Cláudio Castro (PSC), governador do Rio de Janeiro;
    Fátima Bezerra (PT), governadora do Rio Grande do Norte;
    Eduardo Leite (PSDB), governador do Rio Grande do Sul;
    João Doria (PSDB), governador de São Paulo;
    Belivaldo Chagas (PSD), governador de Sergipe.


Fonte: Poder360




Comentários realizados

  • Essa matéria ainda não tem comentários realizados e você pode ser o primeiro a comentar.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de e-mail é de preenchimento obrigatório, mas não se preocupe que não publicaremos. Seu comentário será moderado pelo administrador do site e só será divulgado após isso.*


Outras Notícias